Caged aponta criação de 328,5 mil empregos formais em fevereiro

O destaque foi o setor de Serviços, que gerou 215,4 mil postos com carteira assinada. Comércio teve o pior desempenho, com 13,2 mil postos.


O Brasil fechou o mês de fevereiro de 2022 com a criação de 328.507 empregos formais. O número faz parte do balanço do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged), apresentado nesta terça-feira, 29/03, pelo Ministério do Trabalho e Previdência.


O saldo de fevereiro foi resultado de 2,013 milhões de contratações e 1,685 milhão de desligamentos. Segundo a pasta, foi o segundo melhor resultado para o mês da série iniciada em 2010, perdendo apenas para 2021, quando o saldo foi de 397.915 postos.


De acordo com o secretário executivo do ministério, Bruno Dalcolmo, esta foi a primeira vez que o total mensal de admissões superou 2 milhões de vagas, considerando a série com declarações feitas dentro do prazo. O secretário, entretanto, destacou que o resultado não pode ser considerado estrutural e que a tendência é de redução nas contratações.


“O que vemos aqui em fevereiro de 2022 do ponto de vista das admissões é algo importante a ser notado. Pela primeira vez estamos acima de 2 milhões de contratações. É claro que não é possível afirmar que é algo estrutural e que permanecerá nesse patamar”, disse.


Segundo o secretário, é natural que se espere alguma desaceleração com relação ao nível de contratação do ano passado. “É um processo natural, as empresas não continuarão contratando naquele ritmo do ano passado para sempre”, comentou.


Os números mostram que, no mês de fevereiro, os cinco grupamentos de atividade econômica apresentaram saldo positivo, com destaque para o setor de serviços, com geração de 215.421 novos postos com carteira assinada, distribuídos principalmente nas atividades de administração pública, defesa e seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais.


A indústria geral fechou o mês com 43 mil novos postos, concentrados especialmente na indústria de transformação, que gerou 38.575 postos. A construção fechou o mês com 39.453 novos empregos. Na sequência vem agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, que gerou 17.415 postos. O comércio gerou o menor número de vagas no mês, com 13.219 postos.


Com o resultado de fevereiro, o estoque de empregos formais ativos ficou em 41.157.217 vínculos, uma variação positiva de 0,8% em relação ao estoque do mês anterior.


No acumulado de 2022, o saldo registrado é de 478.862 empregos com carteira assinada, decorrente de 3.818.888 admissões e de 3.340.026 desligamentos.


Fonte: Diário do Comércio.