CNC apresenta propostas para o setor de turismo no Fórum Panrotas 2022

Após cerca de um ano de trabalho, conduzido por 27 Federações do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércios), em parceria com 29 entidades nacionais representativas da cadeia produtiva do turismo, e envolvendo mais de 300 instituições, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) fez o pré-lançamento do documento Propostas e Recomendações de Políticas Públicas de Turismo – Nacional, no Fórum Panrotas 2022, no dia 21 de junho.


A apresentação em primeira mão para o trade, antecipou a entrega do documento, que a CNC coordena, junto com a entrega da Agenda Institucional do Sistema Comércio – Propostas e Recomendações de Políticas Públicas do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, no dia 22 de junho, iniciando com as presenças do presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, e da senadora Simone Tebet.


O material é o primeiro documento de recomendações de políticas públicas finalizado pelo projeto Vai Turismo – Rumo ao Futuro, com o objetivo de gerar um movimento nacional reunindo pessoas e organizações na elaboração de recomendações para contribuir para impulsionar o setor de turismo, especialmente após os impactos da pandemia de covid-19. Foram mais de 100 encontros, entre reuniões e workshops, para o desenvolvimento das propostas que serão entregues aos candidatos à Presidência da República.


As propostas foram apresentadas pelo diretor do Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade (Cetur) da Confederação e presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA), Alexandre Sampaio, no painel Estamos Prontos para o Novo Governo?, que contará com as participações do editor-chefe da Panrotas, Artur Andrade, e do diretor-geral da GKS Negócios Sustentáveis, Cassio Garkalns.


Segundo Sampaio, o Vai Turismo deu um passo importante e o próximo será convencer os candidatos à Presidência da República da necessidade de tratar o turismo com seriedade e compromisso. “O desafio agora é que as recomendações estejam nos planos e nas propostas dos candidatos à Presidência. Precisamos do comprometimento deles e, após as eleições, vamos acompanhar para que as propostas se transformem em ações”, afirma o diretor do Cetur/CNC.


Macroestratégias para o setor

Para o desenvolvimento do documento, foram realizadas a relatoria e a sistematização dos temas em cada estado. Os tópicos em comum transformaram-se em demandas regionais, e as prioridades regionais se consolidaram na agenda nacional, que aponta, entre as macroestratégias, cinco temas necessários à consolidação e à competitividade do setor: Investimentos Convergentes, Inteligência, Incentivo, Oferta Qualificada e Governança. Em julho, também haverá a entrega de 27 documentos estaduais.


O presidente da CNC, José Roberto Tadros, destaca a relevância de ações específicas para elevar os números do setor, que estão abaixo de países com condições econômicas equivalentes. “Temos um mercado doméstico de turismo invejável, com pelo menos 30 milhões de brasileiros que viajam com frequência, mas é possível avançar, criar mais empregos no País, promover melhorias sociais e econômicas e proteger o meio ambiente. Para isso, o turismo precisa de políticas públicas efetivas e estruturantes que possam aumentar a competitividade e consolidar o setor”, ressalta Tadros.


Fonte: CNC.