CNC revisa projeções de crescimento de turismo e serviços em 2022

Para o setor de serviços, a despeito da aceleração de preços, a entidade revisou de 1,9% para 2,5% a previsão de alta do volume de receitas deste ano em relação a 2021


A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) revisou de 3,5% para 4,3% a expectativa de crescimento do turismo, em relação ao ano passado, por conta da tendência de atendimento à demanda reprimida nos últimos anos.


A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) revisou de 3,5% para 4,3% a expectativa de crescimento do turismo, em relação ao ano passado, por conta da tendência de atendimento à demanda reprimida nos últimos anos. A perspectiva é que o turismo brasileiro restabeleça o nível de ocupação de antes da pandemia a partir do início do período de contratações para a próxima alta temporada, encerrando 2022 com 319,4 mil postos de trabalho criados.


Para o setor de serviços, a despeito da aceleração de preços, a entidade revisou de 1,9% para 2,5% a previsão de alta do volume de receitas deste ano em relação a 2021. O volume de receitas do setor de serviços cresceu 0,7%, em junho, em relação a maio de 2022, já descontados os efeitos sazonais, de acordo com a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada hoje (11/08) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação ao mesmo mês do ano anterior, a alta de 6,3% foi a 16ª seguida.


O maior destaque do mês são os avanços de 3% nos serviços gerais prestados às famílias, de 2,4% nos transportes terrestres e de 2,2% nos serviços técnico-profissionais. “Além da volta da circulação normal das pessoas após a pandemia, que tem impulsionado essas atividades desde a segunda metade do ano passado, os preços dos serviços ainda não sofreram todo o choque esperado, mesmo tendo acelerado significativamente nos últimos meses”, explica José Roberto Tadros, presidente da CNC. Para um IPCA de 11,9% no acumulado de 12 meses até junho, o grupo “serviços” acusava variação de 8,7%.


“Apesar de ter sido um dos mais atingidos pelas consequências econômicas decorrentes da pandemia, quando comparado aos demais setores da economia, o setor de serviços apresenta atualmente crescimento de 7%, o maior em relação ao nível de atividade verificado antes do início da crise sanitária”, conclui Tadros.


Retomada gradual de voos, apesar da alta do valor das passagens

“Apesar de ter voltado ao vermelho após restabelecer o volume de receitas no nível pré-pandemia em maio, o turismo ainda segue com expectativas favoráveis, principalmente levando-se em consideração o potencial de regeneração do fluxo de visitantes no Brasil”, afirma o economista da CNC Fabio Bentes.


Tomando-se como termômetro o fluxo de aeronaves, nos 10 principais aeroportos do País – responsáveis por quase 7 em cada 10 voos diários –, após uma queda de 89% durante a primeira onda da pandemia, iniciou-se um consistente processo de recuperação. Bentes analisa: “esse fluxo diário ainda está 15% abaixo do verificado no início de 2020, mas os aeroportos com vocação para o atendimento de demandas regionais já recuperaram o movimento habitual”.


Recuperação dos postos de trabalho

Outro indício da aposta na recuperação nos próximos meses tem sido a reação do mercado formal de trabalho nessas atividades. Nos seis primeiros meses da pandemia, a queda abrupta da atividade levou o setor a eliminar 469,8 mil vagas formais – um encolhimento equivalente a 12%.


Nos meses subsequentes, o setor apresentou recuperação robusta, recolocando, no acumulado de outubro de 2020 a junho de 2022, 365,1 mil dessas vagas. O destaque é para a contratação de 271 mil pessoas nos bares e restaurantes e 67,4 mil nos serviços de hospedagem. Desde maio do ano passado, os saldos mensais entre admissões e desligamentos são positivos.

FONTE: diariodoturismo.com.br