Com baixo custo, pequenos negócios podem profissionalizar gestão financeira

Empresas menores passaram a contratar profissionais de CFO as a Service para cuidar das finanças, deixando mais tempo livre para o dono tocar o negócio.


Pesquisas coordenadas por entidades ligadas aos pequenos negócios, como o Sebrae, apontam que a falta de gestão adequada está entre as principais causas para o fechamento de empresas no Brasil.


Diferente do que ocorre com uma grande organização, que possui departamentos separados e estruturados, os pequenos negócios em geral são tocados por seus proprietários, que passam a acumular funções burocráticas que nada têm em comum com a sua expertise.


A sobrevivência de qualquer negócio, independentemente do porte, requer planejamento e coordenação por profissionais qualificados na área financeira, o que é praticamente inviável para as micro, pequenas e médias empresas por conta dos custos envolvidos.


Hoje, a contratação pelo regime CLT de um bom diretor financeiro, controller ou gerente financeiro pode custar mensalmente ao empresário entre R$ 10 mil a R$ 15 mil, fora os encargos, segundo estimativa feita por Itamara Ferreira, CEO da Anit – Serviços Financeiros.


“É um custo muito alto, que faz com que o dono do negócio assuma várias funções dentro da empresa, algumas bem burocráticas, e fique sem tempo para se dedicar à parte estratégica do seu negócio”, explica.


Com o impulso da terceirização do País e a percepção cada vez maior da necessidade de profissionalizar departamento tão importante nas empresas, cresce o aumento da procura por profissionais de CFO as a Service que, em tradução livre, significa diretor financeiro sob demanda.


De acordo com Itamara Ferrara, um diretor financeiro sob demanda, nesses moldes, cuidará das finanças da empresa a maior parte do tempo de forma remota com o propósito de viabilizar a estruturação e gestão profissional do negócio.

Entre as atividades desenvolvidas estão a análise da saúde financeira da empresa, construção de relatórios para identificar os indicadores de desempenho, atuação para melhorar a comunicação e relacionamento junto a fornecedores, treinamento de funcionários, gestão de capital de giro e planejamento do fluxo de caixa.


Uma empresa com faturamento de cerca de R$ 100 mil por mês e que realize em média 100 pagamentos mensais poderá contratar os serviços de um CFO as a Service a partir de R$ 2 mil mensais. O valor do contrato é calculado com base nas necessidades da companhia e também do volume de pagamentos e vendas.


De acordo com a CEO da Anit, esse modelo de contratação é uma alternativa viável e interessante principalmente nos casos de empresas que já contam com um time de colaboradores, mas precisam de um profissional qualificado para gerenciar e coordenar as ações dentro da empresa.


OUTROS SERVIÇOS

Para reduzir custos sem perder a qualidade na gestão, os pequenos negócios também podem optar pela terceirização dos processos financeiros, como a tesouraria, faturamento (BPO) e gestão de RH, por exemplo.


De olho nesse mercado, os sócios da King, conhecida no mercado por sua atuação na área de contabilidade, criaram uma empresa especializada em serviços administrativos, como BPO (Business Process Outsourcing), ou Terceirização de Processos de Negócios, nas áreas financeira, de RH e Fiscal.


Além do custo menor se comparado com o gasto decorrente da contratação de um funcionário pela CLT, essa alternativa oferece segurança às empresas. No contrato de prestação de serviço, por exemplo, há cláusula impondo limites de senhas sensíveis ao andamento da empresa.


Uma empresa pequena que atue na área de vendas on-line, por exemplo, que necessite da presença de um profissional capacitado uma vez por semana, poderá fechar um contrato de BPO Financeiro a partir de R$ 500 por mês.


MAIS TEMPO

Graças a um contrato de serviços de BPO, às segundas, quartas e sextas, Sergio Portelo, dono da Mainflame, empresa especializada em combustão industrial, tem à sua disposição um profissional para cuidar do agendamento de compras de matérias-primas e pagamento de funcionários, relacionamento com fornecedores, contas a pagar e elaboração de relatórios com projeção de gastos.


Com perfil comercial, o empresário conta que depois de optar por essa solução no negócio, sobrou mais tempo para visitar clientes e viajar em busca de novos contatos. “Hoje, eu apenas faço as checagens dos lançamentos”, conclui.


Fonte: Diário do Comércio.