Conceito de nuvem deve se expandir em empresas de todos os portes

Avaliação é de Raymundo Peixoto, executivo da Dell, ao podcast Mercado & Perspectivas

Nesta semana, o Mercado & Perspectivas, podcast da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), recebe Raymundo Peixoto, vice-presidente de Soluções de Data Center da Dell Technologies para a América Latina.

Na gravação, Peixoto destaca que, durante a crise de saúde pública, aconteceram dois grandes movimentos na tecnologia. Um deles foi o confinamento durante a quarentena. Assim, as empresas precisaram se adaptar rapidamente à nova realidade, além de disponibilizar não apenas um acesso à internet de boa qualidade, como também um ambiente de trabalho mais moderno aos colaboradores. O segundo grande fenômeno foi a digitalização, por meio da transferência da sala de reuniões para as salas de videoconferência. “Desde então, também surgiu a necessidade de modernizar as aplicações e a integração com a cadeia de suprimento e fornecedores”, comenta.

Além disso, o executivo da Dell fala sobre o conceito de nuvem, que, segundo ele, significa desenvolver aplicações de forma flexível e escalável, bem como está ligado à maneira de consumo das novas tecnologias. “Com a pandemia, foi preciso realocar, às pressas e de maneira simples, os recursos de computação. Neste sentido, a nuvem se tornou um ambiente muito propício.”

Ainda de acordo com Peixoto, seguindo os dados de empresas especializadas em pesquisas que estão atentas às tendências do segmento, é possível perceber que a maioria das organizações lida com a nuvem de uma forma bastante efetiva, uma vez que sabem do benefício da agilidade e do gerenciamento centralizado do serviço. “A empresa que usa os dados para tomar decisões e melhorar a sua eficiência (ou a experiência do cliente), tem bons resultados desse ambiente de nuvem que estamos vendo no mercado de tecnologia”, analisa.

No bate-papo, o vice-presidente também comenta a utilização da nuvem em empresas de pequeno, médio e grande portes, além do novo varejo: “A beleza do varejo 4.0 é poder trazer toda a experiência do mundo digital para o mundo híbrido, com os mesmos níveis de processamento e informação”.

FONTE: fecomercio.com.br