Confiança dos empresários do comércio tem queda na capital paulista em agosto

Indicadores da FecomercioSP também registram recuos na intenção de expansão dos negócios e na avaliação dos estoques

Os aumentos dos juros, do endividamento das famílias e da inflação, somados às incertezas geradas pela aproximação das eleições, resultaram em uma piora da percepção dos comerciantes paulistanos em agosto. Os indicadores da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) apresentaram queda quanto à confiança, à intenção de expandir os negócios e à situação dos estoques.

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) recuou 1,1%, chegando aos 118,7 pontos. Dentre as variáveis que compõem o indicador, a que avalia as condições atuais (ICAEC) foi a que obteve a maior redução: 3,2%, passando para 100,4 pontos. O IEEC, que mensura as expectativas futuras, único quesito a apresentar resultado positivo, subiu 0,2%, atingindo 146,1 pontos. Já a variável que avalia o índice de investimento (IIEC) recuou 0,7%, obtendo a pontuação de 109,4. Na base de comparação anual, o primeiro avançou 25,3%; o segundo caiu 0,3%; e o terceiro subiu 13,4%.

A intenção dos comerciantes em expandir os negócios, avaliada pelo Índice de Expansão do Comércio (IEC), caiu 1%, encerrando o mês com 121,2 pontos. Entretanto, em comparação a agosto do ano passado, o indicador cresceu 17,2%. O índice que mede as Expectativas para Contratação de Funcionários caiu 0,3%, atingindo 135,8 pontos. Já o Nível de Investimento das Empresas regrediu 1,8%, chegando a 106,6 pontos. Na comparação interanual, os dois quesitos registraram crescimento: 3,2% e 41,8%, respectivamente.

Nível de adequação dos estoques é a menor do ano

Os problemas remanescentes do desabastecimento da cadeia global e a inflação dos custos têm prejudicado a reposição dos estoques, impactando as margens de lucro das empresas. O Índice de Estoques (IE) caiu 1,1% – de 115,2 pontos, no mês anterior, para os atuais 113,9. Já em relação a agosto do ano passado, o indicador avançou 1,6%.

Além disso, os comerciantes que indicavam adequação somaram 56,4%, a menor parcela desde o início do ano, quando estava em 58%. Em relação a julho, houve recuo de 0,8 pontos porcentuais (p.p.), ante os 57,2% registrados no mês. Ainda assim, segue maior do que a porcentagem dos que relatam inadequação: 42,6%.

Deste total, a percepção de que o desempenho das vendas foi pior que o previsto – registrando, portanto, inadequação acima do desejado –, cresceu 0,2 p.p., ao atingir 28,4%. Por outro lado, também cresceu o número de empresários(as) que afirmaram ter estoques inadequados abaixo do desejado (ou seja, havia necessidade de recomposições), crescendo 0,3 p.p. e registrando 14,2%.

Notas metodológicas

ICEC O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) contempla a percepção do setor em relação ao seu segmento, à sua empresa e à economia do País. São entrevistas feitas em painel fixo de empresas, com amostragem segmentada por setor (não duráveis, semiduráveis e duráveis) e por porte de empresa (até 50 empregados e mais de 50 empregados). As questões agrupadas formam o ICEC, que, por sua vez, pode ser decomposto em outros subíndices que avaliam as perspectivas futuras, a avaliação presente e as estratégias dos empresários mediante o cenário econômico. A pesquisa é referente ao município de São Paulo, contudo sua base amostral reflete o cenário da região metropolitana.

IEC O Índice de Expansão do Comércio (IEC) é apurado todo o mês pela FecomercioSP desde junho de 2011, com dados de cerca de 600 empresários. O indicador vai de 0 a 200 pontos, representando, respectivamente, desinteresse e interesse absolutos em expansão de seus negócios. A análise dos dados identifica a perspectiva dos empresários do comércio em relação a contratações, compra de máquinas ou equipamentos e abertura de novas lojas. Apesar desta pesquisa também se referir ao município de São Paulo, sua base amostral abarca a região metropolitana.

IE O Índice de Estoque (IE) é apurado todo o mês pela FecomercioSP desde junho de 2011 com dados de cerca de 600 empresários do comércio no município de São Paulo. O indicador vai de 0 a 200 pontos, representando, respectivamente, inadequação total e adequação total. Em análise interna dos números do índice, é possível identificar a percepção dos pesquisados relacionada à inadequação de estoques: "acima" (quando há a sensação de excesso de mercadorias) e "abaixo" (em casos de os empresários avaliarem falta de itens disponíveis para suprir a demanda em curto prazo). Como nos dois índices anteriores, a pesquisa se concentra no município de São Paulo, entretanto sendo a sua base amostral considera a região metropolitana.

FONTE: fecomercio.com.br