Em maio, turismo cresce 6,9%

Volta dos eventos influenciou o faturamento do setor, chegando a quase R$ 1 bilhão.


O Índice Mensal de Atividade do Turismo (IMAT) – indicador da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) realizado em parceria com a SPTuris – cresceu 6,9% em maio, em relação a abril. O resultado foi influenciado, principalmente, pelo retorno dos eventos na capital paulista, elevando o faturamento do turismo em 264% na comparação anual (R$ 968 milhões, em valores absolutos). Entretanto, é importante ressaltar que este montante ainda está 2% abaixo do nível pré-pandemia, em janeiro de 2020 (início da série histórica do IMAT).

Além do faturamento, a ocupação hoteleira foi outra variável analisada pelo indicador, que também apresentou alta. A taxa média – a qual no mês anterior estava em 65,9% – subiu para 70,3%. O porcentual é o maior desde janeiro de 2020 e mais que o dobro dos 32% registrados no mesmo período do ano passado.

A movimentação de passageiros pelos aeroportos também apontou desempenho importante para o resultado geral do indicador; um dos motivos para este crescimento foram as comemorações relacionadas ao Dia das Mães. A alta foi de 114% na comparação com o mesmo período do ano passado – o que significa, em termos absolutos, pouco mais de 4 milhões de pessoas circulando pelos terminais aéreos ao longo do mês.

Já pelos terminais rodoviários, circularam 1,03 milhão de passageiros – avanço de 85% no contraponto anual. Quanto ao emprego, o mês de maio terminou com 401 mil postos de trabalhos formais, montante que representa uma elevação de 6% em comparação a maio de 2021.

Otimismo e cautela

A expectativa da FecomercioSP é que o setor continue crescendo na capital, beneficiando-se da demanda reprimida na pandemia e do turismo corporativo. Além disso, a cidade de São Paulo tem se consolidado como um importante destino turístico de lazer, aproveitando seus aspectos culturais e gastronômicos, o que deve garantir que esta expansão continue ocorrendo, mesmo com a aproximação das férias de julho.

Contudo, Mariana Aldrigui, presidente do Conselho de Turismo da FecomercioSP, chama a atenção para dois aspectos nos resultados de maio. Em primeiro lugar, a consistência da recuperação (os dados não apontam grandes saltos, o que denota cuidado e planejamento das empresas, que podem estar controlando gastos em viagens e as equilibrando com reuniões virtuais).

Em segundo lugar, a não superação dos resultados de janeiro de 2020 – mês tipicamente de baixa movimentação na cidade –, o que pode indicar que um grupo de empresas renunciou às viagens de negócios.

"As consequências desta opção envolvem menor gasto médio diário por turista, mais pressão na negociação de preços e prazos de pagamentos e maior volume de turistas a lazer parcelando suas viagens", explica Mariana. "Como já temos alertado desde março, há que se manter o otimismo cauteloso, pois o segundo semestre pode ser marcado por sérias alterações no cenário econômico."

Número-índice

Em maio, o número-índice do IMAT chegou a 89,3, ante os 83,5 de abril (avanço de 85,4% na comparação anual, quando registrou 48,1).

Fonte: FecomercioSP.