top of page

Estimativa de déficit primário sobe de R$ 136,2 bi para R$ 145,4 bi

Fazenda anunciou o bloqueio adicional de R$ 1,5 bi em despesas discricionárias este ano para conseguir cumprir o teto de gastos


Os ministérios da Fazenda e do Planejamento anunciaram nesta sexta-feira, 21/7, o bloqueio adicional de R$ 1,5 bilhão em despesas discricionárias no orçamento deste ano. Com isso, o contingenciamento de despesas em 2023 chegou a R$ 3,2 bilhões para o cumprimento do teto de gastos.


O Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas do 3º bimestre também alterou a estimativa de déficit primário total de 2023 para R$ 145,4 bilhões. No relatório bimestral de maio, a estimativa de rombo total era de R$ 136,2 bilhões.


A meta de resultado primário do Governo Central deste ano é de saldo negativo de até R$ 238,2 bilhões, mas a Fazenda busca um rombo bem menor, de 1,0% do PIB, ou menos.

A projeção da equipe econômica para as receitas primárias totais da União neste ano passou de R$ 2,367 trilhões para R$ 2,366 trilhões. Já a estimativa para a receita líquida - livre de transferências para os governos regionais - passou de R$ 1,911 trilhão para R$ 1,909 trilhão neste ano.


Do lado das despesas primárias, a previsão de gasto total em 2023 passou de R$ 2,047 trilhões para R$ 2,054 trilhão.


Com as revisões deste relatório, o volume de gastos obrigatórios passou de R$ 1,853 trilhão para R$ 1,860 trilhão, enquanto as despesas discricionárias foram mantidas em R$ 193,9 bilhões neste ano.


FONTE: dcomercio.com.br

bottom of page