Indicadores do turismo elaborados pela FecomercioSP mostram retomada gradual do setor

Tradicionalmente, FecomercioSP gera dados e análises setoriais que auxiliam o empresariado.


A retomada do setor de turismo segue se consolidando, ainda que em passos mais lentos que o esperado, após quedas bruscas registradas na movimentação e no faturamento desde o início da pandemia de covid-19, segundo apontaram especialistas na reunião do Conselho de Turismo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), no dia 28 de abril.

Esta percepção condiz com as informações de indicadores como o Índice Mensal de Atividade do Turismo (IMAT-SP), elaborado pela Entidade em parceria com a SPTuris para acompanhar o desempenho do setorna capital paulista; bem como o Levantamento das Viagens Corporativas (LVC), também realizado mensalmente pela FecomercioSP, desta vez em parceria com a Associação Latino Americana de Gestores de Eventos e Viagens Corporativas (Alagev). Além destes, os dados do faturamento do turismo nacional coletados pelo conselho com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) corroboram para o cenário de retomada gradual.

“A questão é que o ritmo de crescimento previsto não tem sido acelerado como esperávamos”, destacou o assessor econômico Guilherme Dietze, que ainda lembrou que o setor não contava com a variante ômicron, a invasão russa na Ucrânia e o atual o lockdown em Xangai, na China. “Estamos enfrentando novos problemas que vão impactar o mundo todo.”

Apesar dos desafios, os insumos desenvolvidos pela FecomercioSP são essenciais, inclusive para as tomadas de decisões empresariais e para a formulação de políticas públicas por parte do Poder Legislativo, apontou a presidente do conselho, Mariana Aldrigui. “O Conselho de Turismo tem entre seus objetivos coletar e gerar dados e análises, assim como pleitear medidas de auxílio ao Poder Público. Assim, tentamos suprir parte da carência de informações, ao mesmo tempo que incentivamos um olhar mais atento dos governantes para o turismo”, explicou.

Inflação e dólar

Outro ponto de atenção percebido na conjuntura econômica é a inflação, que corrói o poder de compra das famílias. Dessa forma, o aumento significativo de custos afeta empresários e consumidores. No caso das viagens internacionais, além da inflação, o dólar a R$ 5 também tem prejudicado o acesso ao exterior, uma vez que o valor da moeda limita a realização de viagens para grande parcela dos turistas brasileiros.

Fonte: FecomercioSP.