top of page

Na contramão do país, varejo de SP espera faturar mais no Dia das Mães

Fecomercio-SP prevê que varejo de SP fature 3% mais no Dia das Mães do que no ano passado; CNC projeta vendas 4,1% menores no resto do país

O setor varejista de São Paulo prevê alta de 3% no faturamento para o Dia das Mães deste ano em comparação com a data comemorativa em 2022, segundo estudo da Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP).


Já em âmbito nacional, a estimativa da Confederação Nacional do Comércio (CNC) não é tão animadora. A entidade espera uma retração de 4,1% nas vendas do varejo ante o volume registrado no mesmo período do ano passado.


O Dia das Mães é a segunda data mais importante em volume de vendas para o comércio de varejo, perdendo apenas para o Natal em faturamento. O período deverá gerar quase 22 mil postos de trabalho temporário neste ano, segundo o presidente da CNC, José Roberto Tadros.


“Não apenas pela magnetude da data, mas também pela diversidade de segmentos impactados pelas comemorações, o Dia das Mães é considerado o Natal do primeiro semestre pelo varejo brasileiro”, afirma o presidente da CNC.


A aposta do comércio paulista é que o setor registre o maior faturamento dos últimos 15 anos, estima a Fecomercio-SP. A entidade espera que o varejo movimente R$ 56,5 bilhões, ou um incremento de R$ 1,4 bilhão na comparação com o Dia das Mães de 2022.


Caso essa estimativa da Fecomércio se confirme, o Dia das Mães deste ano poderá ser o melhor para o comércio varejista de São Paulo desde 2008, ano em que o estudo da entidade foi produzido pela primeira vez.


Mas o otimismo estimado para o estado de São Paulo se contrapõe ao pessimismo da previsão feita pela CNC para o resto do Brasil. A entidade que representa os comerciantes varejistas em âmbito nacional avalia que a taxa Selic no partamar atual de 13,75% será a grande vilã do setor.


Isso porque, apesar da desaceleração dos preços, o crédito caro deverá espantar o consumidor do comércio no período do Dia das Mães, causando queda do volume de vendas nacionais para a data em relação a 2022.


“A demora na recuperação das condições de consumo da população tem provocado sucessivas revisões nas expectativas de crescimento da economia e do próprio varejo”, explica o economista da CNC, Fabio Bentes.


Destaques

A Fecomercio-SP aponta os segmentos de vestuário, tecidos e calçados como aqueles que deverão apresentar a maior taxa de crescimento nas vendas de Dia das Mães entre todos os setores, com alta 7% na comparação com o ano passado.


“O histórico da nossa pesquisa mostra que essas categorias reúnem os artigos que são mais adquiridos pelos filhos para dar de presente no Dia das Mães”, informa a entidade.


O faturamento com itens de farmácia e perfumaria também deverão se destacar, assim como lojas de móveis e decoração. O volume de vendas de ambos os segmentos deve crescer 4%.


FONTE: metropoles.com/negocios

Comentários


bottom of page