Redução no preço do gás não deve chegar a consumidor de Ribeirão Preto, diz revendedora

Novo valor não é menor que o repasse anual influenciado pelo dissídio da categoria em setembro. Valor médio do botijão na cidade é de R$ 118.

A queda de R$ 4,23 para R$ 4,03 no preço do quilo do GLP (gás liquefeito de petróleo), anunciada pela Petrobras, não deve refletir no bolso do consumidor de Ribeirão Preto (SP).

É que, segundo a gerente de uma revendedora, Andreia Pavan Cardoso, a redução supera o dissídio coletivo dos trabalhadores do setor, que impactou o preço do quilo na casa dos R$ 5, repassado em setembro.

“De início, infelizmente não. Nós tivemos reajuste e agora vamos ter essa redução, mas por enquanto não vai chegar ainda. Provavelmente hoje nossa carga vai chegar com desconto, mas por enquanto a gente está com estoque cheio. Por enquanto, não [vai ter queda no preço]”, explica.

De acordo com ela, os consumidores não gostaram de saber que o botijão não vai ter queda no preço na cidade. Hoje, o valor médio na cidade é de R$ 118.

“O pessoal já pensa que vai ter uma baixa muito elevada, mas aumenta cinco, abaixa dois, dois e meio. Não tem como repassar esse valor”.


Histórico de preço

O preço do GLP havia sido alterado pela última vez no dia 9 de abril deste ano, quando o quilo passou de R$ 4,48 para R$ 4,23 por kg, equivalente a R$ 54,94 por 13kg.


Antes, no entanto, vinha em trajetória de alta: em março, o gás de cozinha vendido pela Petrobras havia sido reajustado em 16,1%.


Em outubro do ano passado, a alta havia sido de 7,2%. E em julho do mesmo ano, de 6%.

Na semana encerrada em 3 de agosto, o botijão foi vendido, em média, a R$ 111,57 no país. Desse valor, R$ 54,94 referem-se à Petrobras.


A distribuição e a revenda respondem pela segunda maior parcela do custo ao consumidor, de R$ 44,79. Já o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), representa R$ 11,84%.


Os impostos federais sobre o gás de botijão estão zerados até o final deste ano.


FONTE: g1.globo.com