Sondagem mostra que 6 em cada 10 empresas perderam faturamento durante a pandemia em SP


A volta a uma certa normalidade dos negócios paulistas e o que esperar a curto e médio prazos são questões pertinentes, uma vez que as empresas vivem ainda um período de incertezas por causa da pandemia de covid-19. Os sinais de uma recuperação mais rápida estão atrelados à retomada no consumo das famílias, detectada na Intenção de Consumo das Famílias (ICF), de junho, que alcançou 67,7 pontos – melhor resultado desde novembro de 2020.

Apesar da aparente melhora, as empresas ainda vivenciam os impactos da crise econômica, segundo aponta o estudo “A retomada financeira das empresas”, realizado pela FecomercioSP. O balanço com empresas comércio, serviços e turismo indica que seis em cada dez delas (63%) tiveram redução do faturamento desde o início da pandemia.

Além disso, sete em cada dez das empresas entrevistadas (72%) registraram queda no volume de clientes, em decorrência das restrições de circulação e do isolamento impostos pelo Plano São Paulo como forma de diminuir a propagação do vírus.

A sondagem ainda indica que, mesmo diante das dificuldades financeiras, 70,8% das entrevistadas não contraíram nenhum empréstimo ou financiamento para manter as operações, no período de 20 de abril a 5 de maio deste ano. O dado é positivo, visto a situação demonstrada acima.

Outro ponto importante do estudo: foi verificado que a maioria das empresas (54,7%) tinha uma situação financeira estável antes da crise; enquanto 31,1% consideravam a situação financeira boa; e os outros 14,2% informaram que era ruim.

Retomada

Tudo leva a crer que a retomada mais global entre os setores será de forma gradual, acompanhada da velocidade da vacinação em massa da população e da capacidade de reação mais efetiva do lado real da economia, especialmente do mercado de trabalho. Olhando pelo lado de dentro das empresas, a FecomercioSP destaca que a retomada financeira das empresas esta calcada na recuperação do crescimento através da esperança de melhora da pandemia, com as empresas desenvolvendo e revendo seus planos estratégicos diante da nova realidade. Cabe a gestão financeira das empresas estimular a solidez e o crescimento da empresa, seja através da administração do fluxo de caixa, planejamento das finanças, assim com o tudo aquilo que influencia a performance econômica da empresa.

Representando o empresariado

A FecomercioSP tem atuado em conjunto com o Poder Público a favor do empresariado e da manutenção dos empregos. Uma das perguntas da sondagem reafirmou que as solicitações feitas pela Entidade seguem as principais necessidades dos empresários.

A questão sobre quais as medidas governamentais que mais poderiam impactar as empresa para atenuar os efeitos da pandemia mostra, conforme o infográfico a seguir, que a renegociação dos prazos de impostos e taxas é o item mais importante para 58,6% dos respondentes, ao passo que a ampliação de linhas de crédito foi apontada por 52,8%, e a flexibilidade do Direito do Trabalho, 45,3%.

Fonte: FecomercioSP | Arte: Tutu