Startup integra programas de saúde mental às estratégias das empresas

Para CEO da Vittude, crise sanitária ainda deve gerar crises pessoais e profissionais nas pessoas

A pandemia de covid-19 revelou a necessidade de mais evidência e espaço para a pauta de saúde mental dentro das organizações, tendo em vista que, independentemente do cargo do funcionário ou do ramo da empresa, a doença estabeleceu cenário comum de medo, frustração, impotência e luto a toda a população. Diante disso, o tema já é visto sob um ponto de vista mais estratégico nos negócios – já que a inovação, o engajamento e a produtividade dependem de pessoas saudáveis do ponto de vista emocional.

O novo episódio do Mercado & Perspectivas, podcast da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), traz um bate-papo com Tatiana Pimenta, CEO da Vittude, startup de saúde mental e psicologia online.

Na conversa, a executiva analisa a evolução do olhar das empresas quando o assunto é a saúde mental dos seus colaboradores e os ganhos decorrentes de um acompanhamento mais próximo. Quanto à atuação da Vittude nas empresas, ela destaca que os programas aplicados têm com pilares o diagnóstico e a educação sobre saúde mental.

“É importante que a empresa ofereça o serviço de psicologia para permitir que as pessoas se cuidem, principalmente as que não teriam acesso ao serviço de outra forma, pois isso trará outros ganhos. O que, num primeiro momento, parece apenas custo, evitará que a empresa tenha de gastar futuramente com afastamento, por exemplo; este serviço pode mitigar riscos trabalhistas. Já conseguimos mensurar o retorno de quatro a cinco vezes o investido em um programa de saúde mental”, pondera.

FONTE: fecomercio.com.br