Transporte de cargas cresce 13,9% no primeiro semestre

A exemplo do País, atividade em Minas estima evolução de quase 14% no 1º semestre

O transporte de cargas roda confiante na recuperação da economia graças às exportações, ao agronegócio e às medidas de desoneração do governo. No País, a atividade cresceu 13,9% no primeiro semestre quando comparada ao mesmo período do ano passado. Em Minas Gerais, o setor não tem números fechados, mas replica os resultados nacionais, como o incremento de 0,6% na movimentação de junho.


“A demanda em Minas cresceu e vai continuar crescendo no segundo semestre, impulsionada pelo transporte de produtos primários de exportação, como minério e aço, e os insumos do agro, como fertilizantes, no preparo da safra”, explica o presidente do Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas e Logística de Minas Gerais (Setcemg), Gladstone Lobato.


Como o setor é muito competitivo, nem todas as empresas conseguiram repassar seus custos aos embarcadores. Neste contexto, então, a queda no preço do diesel foi muito bem-vinda já que, segundo Lobato, conseguiu amenizar a planilha de despesas de várias delas. Tais medidas implementadas pelo governo trazem otimismo ao setor, já que se refletem nos custos de produção e de transporte e, consequentemente, na melhora da atividade econômica.


Com mais caminhões rodando, o maior desafio do setor está nas más condições das estradas. “O que adianta a gente se planejar para acompanhar o crescimento da economia e, de uma hora para outra, cai uma barreira e todo o planejamento cai por terra, por conta da precariedade da infraestrutura de logística? Tudo aumenta, gasto de combustível, manutenção, tempo na estrada. E Minas Gerais, que tem a maior malha rodoviária do País, sofre mais com isso”, aponta Lobato.


O segmento que mais cresceu no transporte de carga nacional foi o e-commerce, que, em Minas, está impulsionando o desenvolvimento de regiões como o Sul do Estado, o Triângulo e o entorno de Belo Horizonte, onde estão concentrados os grandes centros de distribuição.

A maior transportadora de carga fracionada do País, a Braspress, tem 48 anos de mercado e sede em Guarulhos, mas cerca de vinte de suas 117 filiais estão em Minas. Por isso, inclusive, ela é associada ao Setcemg.


Atenta a um contexto singular como foi o da pandemia, a empresa conseguiu um resultado histórico no comércio eletrônico. “Mais de 400%”, revela o presidente da empresa, Urubatan Helou. Ele acredita, no entanto, que o crescimento a partir de agora não será tão explosivo. “O e-commerce tende a se estabilizar numa convivência mais equilibrada com as lojas físicas”, avalia Helou, à frente de uma estrutura com 9 mil funcionários e três mil caminhões.

Segundo o empresário, a redução do preço do diesel pouco representou nos custos da transportadora, já que o combustível vinha de uma brutal elevação. A empresa fez um repasse de preços este ano de 18%, que, segundo Helou, compensou as despesas com diesel, mão de obra, autopeças e caminhões.


Para ele, o setor de transporte de cargas tem dois grandes desafios pela frente, a começar pela alta carga tributária. “Carregamos 53% de tributos diretos e indiretos nos nossos caminhões”, diz.


O segundo é o combate ao roubo de cargas, um problema que atinge especialmente o segmento de cargas fracionadas, cujo valor agregado as torna mais visadas. “A situação só não é pior por causa dos investimentos que fazemos em gerenciamento de riscos. Na Braspress, eles chegam a 10% da receita operacional”, revela o transportador.


“Não é uma questão setorial, ela se reflete em toda a economia. Combater o roubo de cargas tem que ser política de governo”, acrescenta.


ANTT altera pisos mínimos do frete rodoviário

São Paulo – A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou ontem portaria com mudança nos pisos mínimos do frete rodoviário após recuo recente nos preços do diesel S10.


A última mudança na tabela do frete havia sido uma revisão ordinária em julho, com aumento médio de até 1,96%.


Segundo a lei, a tabela é reajustada de modo ordinário até os dias 20 de janeiro e de julho, e de modo extraordinário quando houver variação superior a 5% no preço médio do diesel S10 coletado pela agência reguladora do setor de petróleo ANP.


Esse percentual era de 10%, mas foi modificado para 5% pelo governo federal por meio de Medida Provisória em maio.


A tabela de julho levava em conta os valores divulgados pela ANP na semana até o dia 16 daquele mês, quando foi apurado preço médio de R$ 7,58 por litro, enquanto na semana encerrada em 20 de agosto o valor coletado foi de R$ 7,13 por litro, queda de 5,94%.

O recuo nos preços de diesel, bem como de gasolina e etanol, vem principalmente do impacto de reduções das cotações nas refinarias da Petrobras em meio a uma queda no petróleo no exterior.


Para transporte de granel sólido na modalidade carga lotação com quatro eixos carregados, por exemplo, o coeficiente de custo de deslocamento passou de R$ 4,7055 por quilômetro para R$ 4,5346 por quilômetro.


FONTE: diariodocomercio.com.br